26 de fevereiro de 2011

Minha história

Geralmente eu não gosto de expor muito minha vida privada na internet, acho desnecessário, pq o que eu faco ou deixo de fazer só diz respeito a mim. Mas a partir do momento em que eu me dispus a escrever sobre a Noruega, eu senti a necessidade, quer dizer, eu acho justo dividir com vocês um pouco sobre o meu passado e presente para que assim vocês entendam melhor o meu ponto de vista e opiniões, pq como diria meu professor de física: Tudo na vida depende do ponto de referência, e eu quero dividir com vocês o meu.
Eu nasci na cidade do Rio de Janeiro, no bairro da Tijuca, em julho de 1983. Meus avós maternos eram portugueses, e a minha avó paterna é descendente de escravos, eu particularmente amo essa mistura. Meus pais são funcionários públicos, assim como meus tios, e meus irmãos... Quer dizer, eu tenho um tio que é ovelha negra como eu, que trabalha com vendas assim como eu, bom abafa o caso.
 Vocês podem imaginar que minha mãe não ficou nada satisfeita com a minha vinda p/ Noruega, e quando eu ligo p/ ela nos meus dias de tristeza ela sempre diz que a porta está aberta em caso de que eu queira voltar (sentiram a malicia da minha velha né?). Eu até provei o gostinho de "ser" uma funcionária pública quando estagiei por dois anos no Banco Central.  Mas uma coisa vou dizer a vocês, eu teria sido a pessoa mais frustrada e infeliz da face da terra se eu tivesse permanecido no Brasil. Eu tenho algo dentro de mim que não me deixa ficar parada... Eu precisava viajar o tempo todo, ver coisas novas o tempo todo, experimentar, arriscar, viver... E uma vida estável como funcionária pública é exatamente o oposto de tudo o que eu queria p/ mim... Mas enquanto eu estive no Brasil eu fiz a minha parte, estudei em um colégio particular de freiras (mas sempre matava as aulas de religião), me formei em letras em uma faculdade pública (só o bacharelado, faltou a licenciatura), fiz cursinho de espanhol e inglês (o de inglês por muito pouco tempo diga-se de passagem, eu odiava!), estagiei, trabalhei, fiz tudo o que se esperava de uma jovem de classe média brasileira. Eu nunca fui rica, mas tive uma infância e adolescência bem tranquila, é bem difícil se tornar uma guerreira quando se tem tudo muito fácil, e eu fui criada basicamente por empregadas, pq moravávamos na zona Oeste e minha mãe trabalhava em Niterói, MUITO longe. Ficava doente, tinha o plano de saúde do meu pai que era excelente, pedia um presente caro no natal e ganhava, viajavamos com frequência, quer dizer, pelo menos uma vez por ano era certo visitar um outro estado. Ao contrário do que a maioria pensa, nem todo mundo que vem p/ Europa é pq está passando fome no Brasil. Eu perdi muito em alguns aspectos de "qualidade de vida", comparando com o que eu tinha no Brasil, mas ganhei muito em outras áreas. Mas bom, continuando... Eu sempre gostei muito de tudo que é relacionado a computador, e quando jovem amava msn (hoje odeio), e lá eu falava com todo o tipo de gente, tipo, amava salas de bate papo... mas sempre que ia falar com um brasileiro era papinho de sexo... que saco! Isso é bom de se fazer, não de se falar!!! Fiquei curiosa sobre a sala de estrangeiros... a coisa rolou tão bem que eu acabei fazendo um cadastro em um site de relacionamentos, o match.com. Quando eu vi a foto do meu marido foi amor a primeira vista... me lembro como se fosse hoje, minha amigas me sacaneando dizendo que ele era muita areia p/ meu caminhão... e eu sempre dizendo, vou me casar com esse homem, vou me casar com ele... sim eu finalizei meu relacionamento anterior por causa dele, e pq tb já não estava bom, se não nada nos separaria. Comecamos a nos falar em 2006, todo santo dia, então ele veio ao Brasil no inicio de 2007 (PS:. meu marido tem pavor de voar), eu fui a Noruega em junho por um mês e depois em agosto e fiquei até novembro. Em fevereiro de 2008 ele veio ao Brasil para conhecer minha familia e fizemos uma grande festa de noivado. Não foi fácil deixar minha familia e amigos, eu me lembro que eu chorava tanto no dia do meu noivado que minha prima tinha que consertar minha maquiagem a cada meia hora... Cheguei a Noruega em marco decidida a casar. Casei em maio em uma Igreja Católica. Esperei 7 meses desde a minha chegada até o recebimento do meu primeiro visto, e 8 meses para comecar o curso de noruegues e aprender a lingua (o curso de norueguês p/ mim era um paraíso, várias culturas juntas, eu queria falar com todo mundo, perguntar tudo, eu vivia pelos corredores). Meu primeiro emprego foi como professora de português para estrangeiros em um cursinho em Oslo, amei, mas naquela época eu falava o norueguês MUITO mal, rsrsrsrs, mas ainda recebi comentários super positivos dos alunos, as vezes eu acho que vai muito da energia que você passa p/ pessoas...
 Pois bem, vou completar três anos na Noruega no dia primeiro de marco, e estou muito satisfeita com o meu nivel de norueguês e com a minha colocacão no mercado de trabalho, mesmo sabendo que eu ainda tenho muito o que aprender e crescer. Aqui eu virei guerreira, e estou satisfeita com a minha "nada mole vida" (vai gente, não é nada fácil p/ uma carioca da gema, popular e "mimada" virar a vida totalmente do avesso).
______________________________________
 Então, terminando, se alguém achar que as vezes eu pego um pouco pesado com a Noruega, por favor, leve em consideracão primeiro o meu "ponto de referência", ok?

Eu não sou uma pessoa pessimista, mas também não tenho sindrome de Poliana!!!! Eu me considero no nivel: normal p/ um pouco louco, rsrsrsrs.

Com Carinho,

Carolina Krogedal

13 comentários:

Luciana disse...

Temos uma história muito parecida, da vida no Brasil até encontrar o marido na internet, kkkk Também estagiei dois anos em um banco.

Leio sempre seu blog, não acho qeu você pega pesado com a Noruega, é seu ponto de vista, mas acho que você às vezes generaliza os noruegues, reforca um estereotipo, e não é bem assim, afinal somos diferentes, como eles são. Talvez inclusive variando geograficamente por aqui possamos observar caracteristicas mais marcantes, não sei, mas no geral näo dá pra caracterizar um povo.

Outro dia eu disse para uma amiga que quando ela diz que norueguês näo gosta de tomar banho ela está mesmo falando do marido dela, e por ela tanto falar a gente acaba sabendo de características particulares dele. Daí eu perguntei diretamente: "Teu marido não é chegado num banho, né?!" Ela ficou sem jeito mais confirmou. Pois é, o meu é chegado até demais. E assim vai.

Legal você ter contado a sua história e mais legal ainda que tudo está indo bem com você por aqui.

Beijo

Carolina Krogedal disse...

Sim eu admito que generalizo muito, mas tudo está de acordo com as minhas experiências de vida. Nós brasileiros "em geral" somos um povo asseado, aprendemos com os indios que tinham por hábito se banhar todos os dias nos rios (ainda o fazem), mas o meu pai por exemplo é brasileiro mas no inverno pode passar três dias sem tomar banho. Digo que toda regra tem excecão... Infelizmente aqui eu não posso dar nomes aos bois e isso nem convém, mas em conversas informais com minhas amigas eu escuto de tudo: 1. Meu marido só toma banho aos sábados e não se lava direito. 2. Meu cunhado passa um mês sem tomar banho e é um homem novo. 3.Meu marido era limpinho e perfumado até se casar, agora além de andar com as roupas manchadas e sujas não toma banho com frequência. 4. Meu marido nunca lava a cabeca. Eu tenho um amigo que chega a ser engracado, sempre que ele me vê de cabelo molhado ele fala: Acho que todos tinham que tomar banho todos os dias, na minha religião sempre temos que tomar banho depois de fazer amor, acho nojento ficar sujo... p/ bom entendedor... ele está se referindo a mulher dele que não deve tomar banho depois das relacões sexuais. Eu acho que ninguém tem necessidade de mentir p/ contar derrota, acho que minhas amigas e amigos não tem necessidade de faltar com a verdade. O meu não é muito chegado, mas brigamos tanto sobre isso que se ele não mudou 100%, pelo menos 80% eu posso garantir...Por outro lado noruegueses tem uma toalha de mão para cada um, o que se você parar p/ pensar é um ato super ultra higienico, pq nem todo mundo lava a mão direito.. Eu nunca disse que todo norueguês é porco, que todos são assim e todos são assados... Eu generalizo pelas coisas que ouco, e essas coisas são sempre a "maioria". P/ ser super e ultra honesta, você foi a primeira que disse que o marido é muito asseado, e eu nem por um segundo achei que você estivesse faltando com a verdade, pq eu sei que pessoas são diferentes. Só que as experiências que eu tive, vi e ouvi foram contrárias a essa, confissões do tipo "meu marido não é limpo" de uns, ou o silêncio absoluto de outros (quem cala consente).
Lu, eu aprecio muito suas visitas, opiniões divergentes são sempre bem-vindas. Isso é muito bom p/ que eu não fique muito alienada, e para que as pessoas saibam ver toda e qualquer situacão por diferentes ângulos :-)

Luciana disse...

Menina, choquei. Que bom que você respondeu, ri demais com o que o povo fala.
É muito difícil quando a gente fala ou escreve sobre gente näo generalizar, eu mesma faco isso, vez ou outra digo o povo lá da minha terra, da minha cidade, e por aí vai. Mas aí deixei a dica porque as vezes a gente generaliza e somos generalizadas, e somos generalizadas de forma negativa até por nossas conterrâneas, infelizmente. Outro dia uma brasileira perguntou de onde vinha uma novata que tinha chegado, e antes de eu responder ela disse: 'Vindo do Rio ou do Nordeste já sei que era pobre e puta', e ela é nordestina e eu também.
Sei que é difícil escrever detalhando e por isso a generalizacäo, eu entendo, eu faco muitas vezes igual, foi só uma compartilhada de ideia.

Eu conheco uma galera masculina no Brasil que também não é chegada no banho diário, incluindo meu pai, kkkkk

Beijo

Carolina Krogedal disse...

Hoje eu estou uma "soffagris", como dizem os noruegueses... Aproveitando p/ responder coisas antigas e me chocando com outras coisas que nem me dei conta que tinham escrito...rsrsrs.

Mah disse...

Olá, Carolina! Adoro seu blog e sempre passo por aqui para acaompanhar suas vivências, pontos de vista e impressões sobre a Noruega, de um modo geral. Sou fascinada pelo país, povo e cultura...enquanto não posso conhecer o país, vou lendo blogs fantásticos e esclarecedores, assim como o seu.

Maria Costa - Fortaleza, CE, BR.

Anônimo disse...

Essa vida de desempregada, ociosa tem algumas vantagens...se eu tivesse que acordar cedo pra trabalhar amanhã não teria descoberto seu blog hoje, rsrs. já são 2 da manhã e eu tô aqui lendo as coisas que você escreve e rachando de rir! Esse foi o último post que eu li e vou dormir, rsrs.
A "sinopse" da minha vida é bem parecida com a sua. Também sou formada em Letras, menininha de classe média, estudei em escola particular, maior mordomia em casa, empregada, não tirava nem o prato que eu comia da mesa... As únicas diferencas são que eu sou do interior de SP e conheci meu norueguês perdido em um balada numa cidade minúscula tbém no interior de SP. Eu acho que vc retrata exatamente o que acontece por aqui, não acho que você pega nem um pouco pesado com a Noruega. E pelo que eu tenho lido e visto com esses olhos que a terra há de comer é bem assim mesmo no quesito higiene! Olha, meus sogros e cunhadinha foram para o Brasil, ficaram na casa dos meus pais 15 dias...quando a gente pega um avião daqui pro Brasil , a primeira coisa que a gente pensa em fazer quando chegar lá é tomar banho, certo? Eu pelo menos fico desesperada.Chegaram e simplesmente foram dormir. Minha mãe e meu pai olharam pra minha cara tipo: Senhor, eles não vão tomar banho?(Nisso estava uns 30 graus a noite, a cidade onde moro é um inferno de quente). Eu já tinha contado pra minha mãe sobre os hábitos noruegueses, mas acho que ela não acreditava quando eu falava. Aí pensei: ah, amanhã quando eles acordarem devem tomar banho...pffff, doce ilusão. Só sei que passaram uns 2 dias mais sem tomar banho. Eu juro, tava fazendo uns 40 graus. Eu fiquei impressionada,em 15 dias que eles ficaram lá, acho que eles tomaram banho umas 4 vezes. Tudo bem, eles entravam na piscina durante o dia, mas piscina não tem sabão né, não tira o cheiro de cecê do braco nem o cheiro de bacalhau das partes íntimas, rsrsrs...Ah, eu acho que minha sogra usa uns lencinhos íntimos descartáveis, eu vi na necessaire dela. Mas nada substitui água e sabão né, que nojooooo.

Melissa disse...

E minha cunhadinha, o que tem de linda, tem de porca.(A menina tem 1,80, loira de olho azul, eu saía com essa menina no shopping, no centro, etc, todo mundo ficava igual bobo olhando). Acho que ela tomou banho umas 2 vezes enquanto estava lá.O cabelo loiro quase branco até grudava na cabeca. Sem contar que onde eu moro é cidade de cana de acúcar, tem uma queimada lascada...eles iam dormir com o pé PRETO no lencol branco, afffff. Minha mãe, que é maníaca por limpeza, jogou o lencol que eles dormiam fora pq estava encardido e fedendo.E trocou a agua da piscina, rsrs. Ela ficou morrendo de nojo, me perguntou se meu marido tinha esses hábitos tbém. Tinha gente, mas a partir do primeiro dia que passamos a dividir a mesma cama, existe uma regra. Tomou banho, dorme aqui na cama comigo. Não tomou, vai dormir na sala. Mesmo se não rolar sexo? Mesmo se não rolar sexo. Banho é pré-requisito pra deitar na cama. Desde que estamos juntos, esta pessoa toma banho todos os dias, hahahaha.Às vezes um pouco contrariado, mas toma. Vixi, agora já tá até rolando discussão com o digníssimo porque eu falei que quando eu tiver um bebê o mesmo tomará banho todos os dias. O marido diz que não, que aqui nenê não toma bannho todo dia, só umas 2 x por semana. Ah,me poupe. Eu lembro que quando morei nos EUA há um milhão de anos atrás,(fiz intercâmbio na adolescência), eu fiquei numa casa que els não tomavam muito banho tbem, cronometravam o tempo que eu tomava banho, eu tinha tipo 3 minutos pra me lavar, seu eu não acabasse em 3 minutos eles desligavam a água quente...e nessa familia tinha 2 criancinhas e a mãe dava banho nas criancinhas na PIA DA COZINHA umas 3 x por semana. Eu contava isso pros outros e todo mundo achava que aquilo era um absurdo, ficavam perplexos. Afffffff. Eu acho que é castigo viu. Deus deve ter olhado pra mim e falado: "Minha filha,vc vai pagar a sua língua. Vc vai casar com o homem da sua vida, mas para isso você vai ter que se fu..r muito em vários aspectos da sua vida! Gente, tenho que ir dormir!
Adorei seu blog!
Melissa (melissamelles@yahoo.com)
Não consigo comentar com conta do google, então tô deixando anônimo)

Carolina Krogedal disse...

Ahhhhh gente, tem tanta coisa que eu não posso contar... mas a diferenca de higiene é bem garnde sim, infelizmente :-(

Carolina Krogedal disse...

Grande*

Sonia Regina disse...

Oi Carol tudo bem meu nome é Sônia, Mana a minha historia está seguindo o mesmo rumo da sua hoo, maninha eu moro aqui em Porto Velho estou namorando ja tem um 4 meses com um noruegues pela net, ele vem em dezembro pra cá ele que ficar dezembro todo e até janeiro vamos embora juntos pra noruega o mais gozado ele mora em OSLO, você comentou que morava em OSLO mana me da teu endereço Claro se você quiser né e sempre bom fazermos amigos ainda mais Brasileiros mas amo seus depoimentos dai sabia faz agente que ta aqui ter uma visão melhor de vida.... beijos e prazer

Anônimo disse...

muito loco isso...

Carolina Krogedal disse...

Oi Sônia... Eu não moro em Oslo, moro nas proximidades... E eu ainda nâo fui me encontrar com as amigas de Oslo ainda esse ano por falta de tempo... aliás, a última vez que fui a Oslo foi antes do atentado já faz uns 4 meses... :-) Mas tem um grupo no facebook "Brasileiros na Noruega" que tem muitas brasileiras de Oslo, quem sabe vc não encontra uma "vizinha de porta"... Bjks, Carol

Marcela Orsini disse...

Nossa quanta coincidência, éramos vizinhas no Rio, eu morei no Grajau e Vila Isabel... Tambem me formei em Letras e meu primeiro emprego em Oslo foi e eh dando aula de portugues :)

Palavra-chave

Follow by Email

Volta ao mundo em 80 anos :-)