7 de fevereiro de 2012

Depoimento de um brasileiro casado com uma Norueguesa, (vivendo no Brasil).

Não querendo desmerecer ninguém... Mas um dos maiores orgulhos que o meu blog me dá, é ver entre os seguidores do blog pessoas intelectualizadas... Professores, educadores, pesquisadores, amantes de poesia, pessoas bem sucedidas em geral. Sinal de que eu falo besteira mas não muita, rsrsrsrs.

Um agradecimento especial ao Fabio Macedo, que gentilmente nos concedeu esse depoimento:

(Um pequeno resumo dos fatos: Fabio casou-se recentemente com uma Norueguesa e os dois estão vivendo no Brasil).


Oi Carol !

Bom,

Para começar, eu passaria dias aqui filosofando e trazendo pontos e mais pontos em algo que é um hobbie para mim:

As diferenças culturais entre povos e raças !

Se formos pensar em um ponto de vista ainda mais técnico e apurado, não existe exatamente a visão padrão do brasileiro para o norueguês...

Como eu sempre digo para a Marianne (minha esposa) o Brasil não é rotulável. É um país muito grande com diferentes origens, valores e costumes.

Eu, Carol, sou o maior exemplo disso ! Não tenho qualquer identificação com qualquer item que poderíamos considerar como a de um "brasileiro nato".

Sou de São Paulo com pai também paulistano de descendência libanesa e mãe catarinense de colônia germânica, em diversos lugares, muita gente juraria que não pareço brasileiro nem fisicamente (O que é outro assunto complicado do tipo: Com o que de fato se parece o brasileiro ?? - Nosso país é muito jovem como nação e se não temos origem diretamente de índios nativos ou mulatos que é o que geralmente o estereótipo do brasileiro, não temos origem sangüínea definida até digamos, a quarta geração). Bem, voltando, DETESTO cerveja, Detesto carnaval e samba, NÃO suporto calor acima de 26 graus (JURO QUE NÃO é BRINCADEIRA) e não ligo para futebol (Somente dou atenção para Copa do mundo e mais pelo evento do que pelo futebol propriamente dito) ! Quero sobretudo dizer aqui que as letras maiúsculas parecem ter um tom de desprezo mas não é isso. Não julgo e respeito pois cada um tem seu gosto e personalidade. É só para enfatizar a minha personalidade fora dos padrões tupiniquins mesmo rs !

Portanto, quis dizer tudo isso para mostrar que eu certamente terei um ponto de visto sobre o norueguês, completamente diferente do que um amazonense, um mineiro, ou um soteropolitano vai ter... E sei que isso levantará questões do PORQUÊ não estou indo para lá agora se não me identifico aqui... Mas isso será abordado um pouco à frente. (Minha idéia é de COM CERTEZA, daqui alguns anos ir para Bergen com ela e futuros filhos).

Dito isso, todos já podem esperar rs... O norueguês típico para mim não é nada (na maioria das coisas) tão terrivelmente diferente do que estou acostumado.

Por exemplo, a Carol sempre comentou e isso é um fato esperado pela maioria brasileira de que a família norueguesa é fechada... Isso é um fato ! Porém, a minha família é mais fechada do que a dela !!! RS (Primeiro relato da quebra de um paradigma)

O norueguês está acostumado com o frio... Fato ! Entretanto, eu gosto mais e suporto mais o frio do que minha esposa e muitos outros noruegueses que conheci... RS (Segundo relato e por aí vai...)

É muito engraçado e divertido analisar as pessoas neste aspecto ! Gosto muito de todos os posts da Carol pois ela escreve tudo isso com muita paixão e vejo que sua vivacidade para absorver a vida na Noruega é sem limites !! Uma verdadeira biblioteca !

Bom, para encurtar um pouco este texto pois é muita coisa para contar (minha estória com ela é REALMENTE coisa de filme) Algo que era quase impossível acontecer, mas, aconteceu rs.

Vou escrever o básico do básico de como ela é (fazendo paralelos com as outras norueguesas) e como ela está agora no Brasil. Claro que ao longo do texto tomarei rumos diferentes, esquecerei detalhes e teremos frases desconexas, entretanto, espero estar aqui para compartilhar as experiências e matar dúvidas se existir alguma ou curiosidade de alguém !

Quando nos conhecemos, ela tinha 27 anos e eu 30, hoje tenho 32 e ela 29... Ela professora de quinta série e eu, formado em marketing e piloto comercial de helicópteros em operações navais. Entre mais de 9 indas e vindas minhas e delas entre os 2 países em 1 ano e meio, ela está no Brasil em definitivo desde o dia 30/10/2011.

Eu realmente acho que para um relacionamento assim funcionar (e no caso contrário tipo da Noruega para o Brasil e o marido ser brasileiro), existem ingredientes básicos e obrigatórios e o primeiro deles infelizmente e sem demagogia, é além do amor ter que ser verdadeiro, a condição financeira !

Por mais que no mundo moderno a condição feminina de hoje se iguale em digamos 95% da masculina (sejamos otimistas - Sei que ainda não está assim mas em países modernos diria que 99% da igualidade acontece), eu ainda acho que o meu caso é muito mais atípico !! E os números provam !! São muito mais mulheres estrangeiras com noruegueses do que norueguesas com brasileiros. Mencionei a igualdade masculina e feminina porque na sociedade, ainda é menos "aceitável" psicologicamente um homem em uma condição muito pior do que o inverso.

Para qualquer pessoa que pense no formato mais cru e básico da seguinte situação: Uma mulher, sem filhos, jovem, da Noruega e em São Paulo com um brasileiro, parece loucura (a loucura estaria no fato da mulher norueguesa se mudar por um relacionamento e não em se relacionar com um brasileiro pois como a Carol disse, é extremamente normal elas terem qualquer tipo de caso durante suas viagens de verão, com latinos de diversas origens).

Sei que meu depoimento tem leves tendências exibicionistas ou esnobistas rs... Não me acho o último biscoito do pacote rs... Mas o FATO e ela mesmo me diz que isso tudo só existiu porque não é um relacionamento com degraus culturais, intelectuais... Isso é um tanto quanto óbvio mas acho fascinante imaginar quando existe tal coisa e o amor é verdadeiro ! (Talvez eu tenha uma mente muito fechada quanto a isso... Não sei.)

Exemplo: No mundo de hoje, acho que EM GERAL, a mulher é menos tolerante no que diz respeito a um homem com um diferenças intelectuais e econômicas do que o inverso ! E principalmente as norueguesas...

Além do mais, minha esposa mesmo se diz um pouco fora da média da garota norueguesa padrão e por um simples e puro motivo chave: Ela é cristã... Mais precisamente luterana. Está aí a Carol que não me deixa mentir que para uma garota de 29 anos, ser uma pessoa mais focada em religião que é algo bem menos comum na Noruega, já faz uma tremenda diferença !! O próprio círculo de amizades dela é um pouco assim. Ela nunca fez parte da juventude descolada que sempre teve festinhas regadas a álcool e sim, de viagens culturais e coisas e tal. Pra se ter uma idéia, a irmã mais nova dela de 22 anos se enquadra no perfil oposto ao dela ! Engraçado isso ! No entanto, uma coisa não escapa dela referente ao que a Carol já tinha dito e eu sempre soube mas para mim seria um desafio que eu gostaria de encarar com gosto... O que diz respeito à independência e sentimento de autoridade da média feminina norueguesa !! Um barato isso rs ! Já vou explicar de antemão que o que relatarei agora não é o livro da verdade mas uma grande teoria discutida inclusive com meu amigo sueco que vive há muitos anos em SP.

Sou um homem bem conservador e de gênio um pouco dominante rs... E ela aprecia demais isso pois disse que muitos mas MUITOS (Obviamente não todos) homens noruegueses não tem isso... Fazendo com que muitas mulheres norueguesas acabem desenvolvendo esse sentimento de independência total (claro que levando em consideração o fato de que hoje em dia a humanidade também caminha para a igualdade por natureza)...Traduzindo, não precisa ser um joão sem braço metido a macho rs mas sim, um homem educado, honesto e atencioso e DE ATITUDES !

De todos os detalhes da personalidade da minha esposa, o que CERTAMENTE mais me chama a atenção e surpreende, é sua inocência e ingenuidade !!!!

Tá certo que ela como eu disse, é de grupo luterano, tem princípios e valores diferentes até para a média feminina conterrânea dela, mas ainda assim, é IMPRESSIONANTE a inocência dela com o teor do que pode existir de malandragem nesse mundo. Sabemos e sem prepotência, que nosso país está em um nível avançadíssimo disso ! Sempre brinquei que tenho que doutriná-la a ser mais agressiva do tipo: se vendedores ligarem convencendo-na de que ela precisa no Brasil, de um avestruz no quintal pois todo brasileiro tem um, ela comprará 2... Um pra mim um pra ela e ainda escreverá uma carta de recomendação sobre o vendedor !!!

Nossa decisão dela vir para o Brasil ao invés do contrário foi puramente uma questão de foco e previsão financeira para o futuro... Neste caso, meu trabalho e meu salário sobrepuseram o dela com facilidade ao ponto de enquanto somos jovens e sem filhos, a maior perspectiva de crescimento é sem sombra de dúvidas em São Paulo... Graças a Deus minha família tem uma condição realmente muito muito boa e temos todo o suporte (Caso se faça necessário) possível, e isso já não teríamos lá caso dependesse de parentes para qualquer tipo de ajuda mais íntima.

Por enquanto, a adaptação está melhor do que eu imaginei no nível mais otimista possível ! Às vezes preciso me beliscar para acreditar....

Para uma mulher, independente, norueguesa, vir para o Brasil para durante muito tempo, não trabalhar e ser sustentada, acreditem, é uma paulada violenta no ego e nos instintos vikings das ditas cujas rs... Prefiro sempre acreditar que é muito amor mesmo ! E sei que é ! O que me deu muito medo é ela se sentir muito sozinha... (trabalho 14 dias ininterruptos em bases pelo país e folgo 14 dias em casa). Ela me acompanhou nas 3 primeiras missões que eu estive a trabalho desde que ela está em definitivo no Brasil (estou no momento em uma base em Belém e essa missão, ela ficou em SP). Dirigir, também é algo que ela AINDA não faz em São Paulo...(Isso não me surpreende rs).

Graças a Deus, as preocupações acabam por aí pois ela já está cheia de amigos aqui. Todos os meus amigos e parentes adoram ela e sempre estão convocando para fazer algo ! Até no dia do Natal, fomos na Igreja Escandinava em São Paulo, onde toda a comunidade freqüenta (Na maioria suecos) e lá ela conheceu uma outra norueguesa que está em SP há 5 anos casada com um brasileiro e está super feliz !! Ganhei na loteria pela segunda vez rs, agora ela tem uma amiga que se bem me lembro, é de pertinho de onde a Carol está (Pelo que li sobre onde eles moram) e ainda, mais uma opinião positiva sobre a vida no Brasil (em São Paulo).

No momento, estamos morando nos meus pais pois meu apartamento (agora nosso) fica pronto no fim de março. Com todas essas informações, a vida dela tem sido relativamente muito tranqüila nesta nova etapa, estando na maioria do tempo se divertindo e cheia de planos para nosso futuro, apartamento pra decorar, etc. Estamos até embarcando para Stavanger agora quando eu voltar pra SP dia 9/2, para ter uma segunda festa de casamento agora com a família dela e ainda seremos padrinhos de um bebê de um casal de amigos dela/nossos em Bergen. (Minha mãe uma vez fez uma roupinha de tricô para o bebê deles em uma de minhas viagens para lá e o casal ficou realmente tocado com aquilo).

Quanto ao que a Carol levantou do que ela não gosta no Brasil... Diria que é pouca coisa pois muitos detalhes, são o que vemos na mídia quando se tem uma vida um pouco mais isolada dos problemas sociais no país (Crimes absurdos, desorganização, corrupção em níveis que chegam ser piada, sujeira, falta de educação, etc.) mas nada disso a gente vive exposto a um grau que realmente incomode muito! Não sou nenhum milionário e ela não está vivendo isolada em um conto de fadas... Não é isso ! Mas bem sabemos que o Brasil é um país de enorme contraste até no quesito qualidade de vida quando se tem e quando não se tem !!! Infelizmente é assim !!

Ela realmente esta gostando de viver em São Paulo do jeito que estamos vivendo. O português não está mais sendo grandes problemas pois ela já conversa bem (com os devidos descontos) e no geral, ela se vira muito bem mas claro que ainda é como se fosse um bebê reaprendendo como a banda toca por aqui. Sua perspectiva de trabalho será mais para se ocupar e se sentir bem do que puramente por necessidade financeira. É claro que um upgrade na renda familiar é sempre bom mas meu ponto é: Não a tirei da Noruega para piorar sua qualidade de vida ! Acharia isso muito injusto... Ela madrugando para encarar de 3 a 4 horas por dia dentro de um carro em SP de segunda a sexta em uma jornada de trabalho maior do que é na Noruega. Isso é fato ! Não que seja uma coisa descabida pois todo brasileiro tem essa rotina dura mas não para ela que sempre esteve acostumada com outro ritmo. Como sou piloto, nem eu mesmo sendo paulistano me exponho a isso !! Graças a Deus !

Em resumo, estamos muito felizes.

Ela é o maior amor de pessoa que eu já conheci nessa vida e com certeza merece cada gota de suor e sangue que eu possa oferecer para ela...
 
 
Um lindo depoimento Fábio! Dá p/ sentir a paixão nas palavras... Felicidades ao casal!!! E obrigada novamente...
 
Vou fazer alguns comentários abaixo...

15 comentários:

Carolina Krogedal disse...

Oi Fábio, seu depoimento foi fantástico, e eu não me canso de agradecer... E não acho que vc esteja se gabando em nenhum momento... eu considero isso mais como um "tom de orgulho", pelo "dever cumprido". Eu destaquei no seu texto partes em que pensamos de forma muito semelhante, e irei tecer um pequeno comentário de uma parte em que eu concordo parcialmente, he he he. Concordo com vc que p/ uma mulher é muito mais difícil assumir um relacionamento em que há um abismo economico e cultural. Mas... eu vejo muito disso na Noruega... Embora não haja muitos brasileiros homens, existem milhares de turcos, polacos, albaneses e outras nacionalidades... E isso eu não sei explicar... Para alimentar o meu ego feminino, gosto de pensar que os brazucas preferem o produto nacional, ha ha ha

Pequeno desabafo...
Eu por muito tempo conservei uma mentalidade tacanha e retrograda, quando eu escutava que alguém preferia a Noruega ao Brasil, eu achava que era mentira, ou que a pessoa provavelmente tinha passado por algum trauma, ou infelicidade sem tamanho nas terras tupiniquis. Eu nunca levei em consideracão o fato de que AS PESSOAS SÃO DIFERENTES. Muitas pessoas tem intolerância a coisas que eu amo, como calor e barulho (mas sem muvuca, obrigada). Ha ha ha, demorou, mas caiu a ficha, e hoje eu consigo respeitar a opinião de todos. Afinal de contas, o que seria do azul se todos só gostassem do vermelho???

Luciana disse...

Tambem vejo muitas norueguesas se relacionando com homens de outros paises, e se nao tantos brasileiros talvez porque muitos nao encontraram essa mulher mais dedicada a religião e submissa por aqui, coisa que ta raro no Brasil também, afinal a mulherada no Brasil ta virando ateia e adora uma balada regada a muito alcool.

Filme por filme acho que todas as história se bem escritas dão um, nem conto a minha, kkkkk

Pois é, não vejo isso de brasileiro ser assim ou assado, cada um é cada um. Eu prefiro morar aqui, pelo frio, vai nascer onde eu nasci que dá pra entender. Conheco outras tantas pessoas que preferem o calor, ou o frio, ou um pouco de cada. Conheco norueguês torcedor do Flamengo, que ama futebol de paixão, e eu detesto. Conheco quem ama cerveja aqui e brasileiros que odeiam. Não há um perfil definido nesse mundo, há?

Mas interessante ver um depoimento de um brasuca casado com uma norueguesa que mora no Brasil.

Fabio disse...

Obrigado Carol !!!

Ela já viu e leu e ajudei com as palavras mais difíceis para ela entender rs !! Ela ficou super interessada no teu blog e logo fará um comentário rs !!

O problema é que para ela escrever em português fica complicado... Se você não se incomodar, ela poderá escrever em norueguês e inglês...

Foi um enorme prazer !! Gosto muito do teu blog e espero que a própria Marianne contribua pois agora, o comentário vem diretamente da fonte !!! RS

Carolina Krogedal disse...

Me incomodar Fábio??? Ela pode escrever até em chinês que eu vou dar meu jeito de traduzir...rsrsrsrs. Olha que honra seria, uma norueguesa contribuindo para o meu humilde Blog :-D Vou ficar ligada no meu email, aguardando novidades :-)
Desde já obrigada!!!!

Anônimo disse...

Hei Carolina!

Jeg vet ikke hvilket språk det er best at jeg skriver på, men jeg velger norsk først, så engelsk. Portugisisken min er enda ikke på et godt nok nivå til at jeg tør poste et innlegg på bloggen din..

I det siste har jeg tenkt på hvor fanget de fleste av oss er av vaner. Bare tenk på hvordan de fleste par, når de får barn sammen, hvordan begge to, vil ønske oppdra barnet noenlunde identisk med sin egen oppvekst! Siden da forhold består av to personer, kan det lett oppstå motsetninger, kulturelle sådan, til tross for samme nasjonalitet. Man kan ha ulikt livssyn, være tilhenger av "fri oppdragelse" eller streng oppdragelse, man kan være vant med å ha nære familiebånd, eller fjerne og så videre.

Det er litt absurd å tenke på at vi mennesker kan være så primitive at vi så ofte, ubevisst, tyr til det vi er vant til. Og dette uten å reflektere over om det egentlig er det beste, eller det eneste saliggjørende.

Er det ikke litt sånn og med landet vi kommer i fra? Jeg har aldri tenkt at jeg er patriotisk av meg, og tror absolutt ikke at Norge er et land alle mennesker vil trives med å bo i, snarere tvert i mot.

Men så flytter man til et annet land, og så kjenner man på kroppen hvordan landet man vokste opp i, har formet oss, alt i fra væremåte, tanker om politikk og religion, hvordan vi kler oss, hobbier, tradisjoner og så videre.. Jeg blir i hvert fall utfordret, og overrasket, over hvor mye av "Norge" som jeg bærer med meg, i min brasilianske hverdag.

Og så, midt oppe i alt dette, så tenker jeg at det rett og slett er en velsignelse at jeg kan utvide horisonten min med et annets land kultur. Det er ikke alle forunt å få opplevelsen, og jeg vil tro at du, Carolina, deler dette synspunktet. Det finnes så mange måter å leve, og å se, livet på, og jeg er glad for muligheten til erfare noe helt nytt - og alt dette sammen med mannen jeg elsker.

Takk for muligheten til å skrive her! Jeg synes bloggen din er svært interessant lesning. Jeg ønsker deg alt godt. Med vennlig hilsen Marianne, Fabios kone

Anônimo disse...

Hi Carolina!

I don´t know which language you prefer me to write in, so I started in Norwegian and continue now in English. Unfortunately I can not write to you in Portuguese, because my skills to write Portuguese is still on a very poor level, and it would make me very embarrassed.

Lately, I have been thinking about how captured most of us are, by our habits. Just think about a couple, when they are having a baby, how both of them, would like to raise their child more or less identical to they way they have been brought up! Since relationships consists of two people, there can easily arise opposites, even cultural opposites, despite of being having the same nationality. You may have differences in religion, be in favor of a very hard, or soft education of children, you may come from a close or closed family, and so it goes on.

It is a little absurd, to think that we, the human being, often are so primitive that we so often, unconsciously, tend to act according to our habits. And all this without any reflections about whether this is the right way to act, or the best possible perspective in certain situations.

Isn´t it like this when it comes to our own home country? I have never considered myself patriotic, and do most certainly not think that Norway is a country the majority of worlds population would love to live.

But then you move to a whole other country, and then you feel, physically, how the country you grew up in formed you, in everything from line of thoughts, political views, dress-codes, hobbies, traditions and so on. I, at least, get challenged, and surprised, how much of "Norway" I am carrying with me, in my Brazilian everyday life.

And then, in the middle of all this, I´m thinking that it is truly a blessing for me to experience another country, with a whole other culture. It is not a gift for everyone to have, and I think you, Carolina, will agree with me on this matter. There is so many different ways to live your life, and look upon life, and I truly appreciate the oppurtunety I now have to experience something new - and all this together with the man I love.

I have found your blog very interesting, congratulations! And I am happy to make a little contribution to your blog - if you are interested.

I wish you all the best,
best regards Marianne, wife of Fabio

Lili Guimarães disse...

Fábio, que pena que você não gosta de samba. Mesmo assim, mostre a Marianne as nossas músicas pois p ritmo não existe em outro lugar no mundo! E falam de amor, o que é muito importante.

Daniela Pedrinha disse...

Que bacana o depoimento do Fabio! É bem isso que ele descreveu.. Quem sabe ele pode nos brindar com mais um depoimento se/qdo decidirem vir para Noruega? Seria mto interessante saber a versão masculina )e brasileira) de viver aqui. Bjos

Carolina Krogedal disse...

Eu juro que vou traduzir o depoimento que a esposa do Fabio gentilmente nos concedeu gente, so um pouquinho de paciência, e que eu estou de mudanca, e agora estamos na reta final, em 13 dias ja estaremos dormindo na casa nova... Ate la eu estou enlouquecendo com essa rotina de ir trabalhar, malhar e chegar em casa e ter que empacotar coisas... afffssss... Ninguem merece, mas e por um motivo nobre :-)

Marianne, takk skal du ha!Du er veldig snill og meget hjelpesom :-)

Marcela Orsini disse...

Que legal esse post. Carol, você fez uma boa descoberta de que as pessoas tem gostos diferentes! rs
Eu sou uma das que odeia calor e barulho. E agora que moro aqui e estou acostumada com esse silêncio maravilhoso e de nao ter mais que suar litros, quando volto ao Brasil isso me incomoda mais ainda. Incomoda de tal maneira que decidi dar um tempo de ir lá, nao quero ficar indo para reclamar, né? Agora só vou quando estiver com MUITA saudade, assim vou curtir cada momento, mesmo com calor e funk no fundo. rs

Fernanda disse...

Muito bom poder desfrutar desse relato de uma vida pautada no amor verdadeiro entre as pessoas.
Me identifiquei muito, principalmente quando relatou-se as dificuldades de adaptação.
Postei anteriormente um comentário em um post, quando ainda havia muitas incertezas e angustias no meu coração, hoje isso já n há mais. Me apaixonei no primeiro olhar pelo filho de um casal de noruegueses que conheço faz 11 anos. Tinhamos um relacionamento, eu namorava fazia 6 anos, e ele 3 anos. Então resolvemos terminar nossos relacionamentos por causa de um sentimento puro, q nos fazia perceber que nada era mais necessario do que estar junto.
Depois de seis meses de angustia, resolvi voltar p Noruega, ficamos juntos e agora ele está vindo p Brasil. Engraçado como a vida prega peças na gente, eu com uma vida completamente estável no Brasil, emprego público (sou professora efetiva do estado da Bahia), família, amigos, e de repente precisamos "largar" tudo para viver um grande amor.
Sei o quanto será complicado a vida na Noruega, RECOMEÇO, essa é a palavra: aprender o idioma, ter q arranjar emprego, se adaptar ao clima e a cultura, pois apesar dos problemas que vivemos aqui, amo de paixão meu país e pretendo voltar após alguns anos lá p cá, mas com ele e nossos futuros filhos. Estamos pensando em casar dentro de alguns meses, muita gente aqui comenta q eu n deveria fazer isso, pois seria loucura "largar" uma vida aqui por algo q n sei como será. Minha vida aqui seria bem mais fácil, n tenho duvidas disso, principalmente financeiramente, e senti o q a mulher de Fabio deve sentir. Vc ter q ficar um tempo desempregada, dependendo financeiramente do marido, quando vc tinha e sempre teve uma independencia. Mas acredito que quando vc ama alguém verdadeiramente vale a pena todo o esforço, só pra poder dormir e acordar ao lado da pessoa, sentir o brilho do olhar ao se verem, coisas q vc jamais poderá vivenciar com uma outra pessoa com tamanha intensidade.
Nessa vida, a unica coisa que realmente vale a pena é ser feliz, seja aqui no Brasil, seja lá na Noruega, e isso é o q anseio veemente, ser feliz ao lado dele!

Carolina Krogedal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carolina Krogedal disse...

G. li todo o seu post. Eu fiquei pensando que conselho eu poderia te dar... Mas eu precisaria de mais informacões... A Familia tem algum motivo concreto pra não gostar de você ou eh puro preconceito? Pq se for puro preconceito, simplesmente viva sua vida com a sua gatinha e os ignore, ainda mais facil pq vcs irão viver no Brasil. Ela pode estar mal pela decisão dos pais, mas acredite que, apaixonada, ela ira fazer tudo para que vcs fiquem juntos. E com o tempo a familia vera que vc faz um bem imenso a ela (assim eu espero rapaz!).
Os lacos afetivos entre pais e filhos são diferentes na Noruega... Não são todos os casos, mas na maioria que observo, eles praticam a lei do desapego em prol da independência... Não tem pai colado em filho, nem filho colado em pai como se vê todo o tempo no Brasil... Não vejo muitos filhos cuidando de pais idosos, ou com problemas de saude e tals... Esse desapego pode ser um ponto positivo talvez, não sei... De qualquer forma te desejo sorte meu querido

Monaliza Oliveira disse...

Fernanda achei incrivel sua historia e muito emocionante...

Unknown disse...

Norway wait me

Palavra-chave

Follow by Email

Volta ao mundo em 80 anos :-)