28 de fevereiro de 2011

Tô saindo de férias...

Eu também sou filha de Deus e mereco um descanso, amanhã viajo para o Brasil e só volto em abril. Uma coisa curiosa... eu sempre fico doente na minha primeira semana no Brasil. Da última vez cheguei até ficar sem voz por uns dois dias e usando nebulizador. A diferenca é que eu já tô saindo daqui muito doente dessa vez. Não paro de tossir desde ontem, entre outras coisas que não cabem aqui dizer... pois bem, tô totalmente a base de chazinho e pastilha. Mas eu disse ao meu marido que era p/ me colocar dentro do avião mesmo se eu tiver uma convulsão e ficar inconsciente, a saudade da terrinha fala mais alto! Talvez eu poste alguma coisa aqui, talvez não... vejamos como será minha estadia por lá :-)

Fala Noruega, as origens...

A Maria de Fortaleza é a inspiracão desse tópico em que falarei um pouquinho sobre a criacão do blog "Fala Noruega". Antes de mais nada eu queria dizer que as únicas coisas que me vinham a cabeca sobre a Noruega antes de morar aqui eram "muito frio" e "bacalhau". Eu fiquei admirada com a minha enquete quando vi que a maioria simplesmente quer vir por vir... Assim como eu morro de amores pelo meu time de futebol FLAMENGO, tem gente que é apaixonada pela Noruega, amor e admiracão que não se explicam ;-)
Eu deixei o Brasil por uma motivacão muito grande, eu fui atrás do homem que eu escolhi para ser pai dos meus filhos e tenho sim planos de envelhecer do lado dele. Eu jamais posso dizer que fui forcada a vir, e deixar tudo p/ trás, isso certamente foi uma escolha. Mas eu também me acho no direito de ficar triste e com saudades de casa, ou de reclamar quando o tempo está ruim, ou quando estou cansada e doente. Me permito até dizer que não tenho pretensão de viver na Noruega até os restos dos meus dias, até pq meu "espirito cigano" não me deixaria em paz. Eu sou um ser humano, e esconder o que estou sentindo para agradar A,B ou C não está e nunca estará nos meus planos. Carolina Krogedal: Ame ou a deixe em paz!
Mas continuando a história, o momento da criacão foi em 2008, no meu primeiro ano de Noruega, devo confessar que o motivo da criacão do blog não foi nada nobre, foi uma amiga minha que sonhava em fazer dinheiro com anúncios... tipo: Vai Carolina, abre um blog, se ele ficar popular você pode colocar anúncios e ganhar uma grana... a pertubacão foi tanta que o "Fala Noruega" nasceu. Mas eu nem entrava, não postava nada, criei mesmo só p/ minha amiga me deixar em paz. O blog só ganhou vida por causa da minha sogra. Vocês tem que de uma vez por todas entender algo sobre os noruegueses, eles são uma pessoa antes de beber , e outra completamente diferente depois que bebem (em 99% dos casos). O meu marido não se altera em nada, mas bebe MUITO, outros ficam super ultra comunicativos e risonhos, mas no caso da minha sogra, infelizmente a bebida serve como um encorajador para falar coisas desagradáveis da forma mais deseducada possível (gente minha sogra muda da água p/ vinho, pq sóbria ela é uma mãe p/ mim), por isso eu odeio bebida e sempre vou odiar. Continuando... num desses jantares de familia eu mencionei que tinha o desejo de me mudar p/ um lugar mais quente quando tivesse filhos e tal, pq as criancas na Noruega são muito presas por causa da condicão climática e tals... Eis que minha sogra levanta o tom de voz: Você foi muito idiota de ter vindo para a Noruega sem saber nada sobre ela. Eu ia responder: Eu me casei com o seu filho, não com o seu país, mas discutir com gente bêbada é perca de tempo. Mas no fundo no fundo, ela estava certa... Por isso o blog ganhou nova vida, decidi escrever sobre o que os meus olhos e ouvidos registram todos os dias, para que ningúem cometa o mesmo erro que o meu. Venha preparado(a)! Não se iluda! E não seja tão alienado(a) quanto eu fui.

26 de fevereiro de 2011

Minha história

Geralmente eu não gosto de expor muito minha vida privada na internet, acho desnecessário, pq o que eu faco ou deixo de fazer só diz respeito a mim. Mas a partir do momento em que eu me dispus a escrever sobre a Noruega, eu senti a necessidade, quer dizer, eu acho justo dividir com vocês um pouco sobre o meu passado e presente para que assim vocês entendam melhor o meu ponto de vista e opiniões, pq como diria meu professor de física: Tudo na vida depende do ponto de referência, e eu quero dividir com vocês o meu.
Eu nasci na cidade do Rio de Janeiro, no bairro da Tijuca, em julho de 1983. Meus avós maternos eram portugueses, e a minha avó paterna é descendente de escravos, eu particularmente amo essa mistura. Meus pais são funcionários públicos, assim como meus tios, e meus irmãos... Quer dizer, eu tenho um tio que é ovelha negra como eu, que trabalha com vendas assim como eu, bom abafa o caso.
 Vocês podem imaginar que minha mãe não ficou nada satisfeita com a minha vinda p/ Noruega, e quando eu ligo p/ ela nos meus dias de tristeza ela sempre diz que a porta está aberta em caso de que eu queira voltar (sentiram a malicia da minha velha né?). Eu até provei o gostinho de "ser" uma funcionária pública quando estagiei por dois anos no Banco Central.  Mas uma coisa vou dizer a vocês, eu teria sido a pessoa mais frustrada e infeliz da face da terra se eu tivesse permanecido no Brasil. Eu tenho algo dentro de mim que não me deixa ficar parada... Eu precisava viajar o tempo todo, ver coisas novas o tempo todo, experimentar, arriscar, viver... E uma vida estável como funcionária pública é exatamente o oposto de tudo o que eu queria p/ mim... Mas enquanto eu estive no Brasil eu fiz a minha parte, estudei em um colégio particular de freiras (mas sempre matava as aulas de religião), me formei em letras em uma faculdade pública (só o bacharelado, faltou a licenciatura), fiz cursinho de espanhol e inglês (o de inglês por muito pouco tempo diga-se de passagem, eu odiava!), estagiei, trabalhei, fiz tudo o que se esperava de uma jovem de classe média brasileira. Eu nunca fui rica, mas tive uma infância e adolescência bem tranquila, é bem difícil se tornar uma guerreira quando se tem tudo muito fácil, e eu fui criada basicamente por empregadas, pq moravávamos na zona Oeste e minha mãe trabalhava em Niterói, MUITO longe. Ficava doente, tinha o plano de saúde do meu pai que era excelente, pedia um presente caro no natal e ganhava, viajavamos com frequência, quer dizer, pelo menos uma vez por ano era certo visitar um outro estado. Ao contrário do que a maioria pensa, nem todo mundo que vem p/ Europa é pq está passando fome no Brasil. Eu perdi muito em alguns aspectos de "qualidade de vida", comparando com o que eu tinha no Brasil, mas ganhei muito em outras áreas. Mas bom, continuando... Eu sempre gostei muito de tudo que é relacionado a computador, e quando jovem amava msn (hoje odeio), e lá eu falava com todo o tipo de gente, tipo, amava salas de bate papo... mas sempre que ia falar com um brasileiro era papinho de sexo... que saco! Isso é bom de se fazer, não de se falar!!! Fiquei curiosa sobre a sala de estrangeiros... a coisa rolou tão bem que eu acabei fazendo um cadastro em um site de relacionamentos, o match.com. Quando eu vi a foto do meu marido foi amor a primeira vista... me lembro como se fosse hoje, minha amigas me sacaneando dizendo que ele era muita areia p/ meu caminhão... e eu sempre dizendo, vou me casar com esse homem, vou me casar com ele... sim eu finalizei meu relacionamento anterior por causa dele, e pq tb já não estava bom, se não nada nos separaria. Comecamos a nos falar em 2006, todo santo dia, então ele veio ao Brasil no inicio de 2007 (PS:. meu marido tem pavor de voar), eu fui a Noruega em junho por um mês e depois em agosto e fiquei até novembro. Em fevereiro de 2008 ele veio ao Brasil para conhecer minha familia e fizemos uma grande festa de noivado. Não foi fácil deixar minha familia e amigos, eu me lembro que eu chorava tanto no dia do meu noivado que minha prima tinha que consertar minha maquiagem a cada meia hora... Cheguei a Noruega em marco decidida a casar. Casei em maio em uma Igreja Católica. Esperei 7 meses desde a minha chegada até o recebimento do meu primeiro visto, e 8 meses para comecar o curso de noruegues e aprender a lingua (o curso de norueguês p/ mim era um paraíso, várias culturas juntas, eu queria falar com todo mundo, perguntar tudo, eu vivia pelos corredores). Meu primeiro emprego foi como professora de português para estrangeiros em um cursinho em Oslo, amei, mas naquela época eu falava o norueguês MUITO mal, rsrsrsrs, mas ainda recebi comentários super positivos dos alunos, as vezes eu acho que vai muito da energia que você passa p/ pessoas...
 Pois bem, vou completar três anos na Noruega no dia primeiro de marco, e estou muito satisfeita com o meu nivel de norueguês e com a minha colocacão no mercado de trabalho, mesmo sabendo que eu ainda tenho muito o que aprender e crescer. Aqui eu virei guerreira, e estou satisfeita com a minha "nada mole vida" (vai gente, não é nada fácil p/ uma carioca da gema, popular e "mimada" virar a vida totalmente do avesso).
______________________________________
 Então, terminando, se alguém achar que as vezes eu pego um pouco pesado com a Noruega, por favor, leve em consideracão primeiro o meu "ponto de referência", ok?

Eu não sou uma pessoa pessimista, mas também não tenho sindrome de Poliana!!!! Eu me considero no nivel: normal p/ um pouco louco, rsrsrsrs.

Com Carinho,

Carolina Krogedal

14 de fevereiro de 2011

O que está dando o que falar...

O tema sobre a imigracão ilegal na Noruega está em Alta. Tudo por causa desse "livro" que está dando o que falar... Maria Amelia (Madina Salamova), é uma imigrante russa que chegou na Noruega ainda crianca... A familia tentou asilo politico primeiramente na Finlândia, e depois na Noruega. Como os dois pedidos foram negados a familia decidiu viver ilegalmente na Noruega. Jesus, a vida de um cidadão que está legal no país já não é fácil, imagino viver ilegalmente aqui... Não poder abrir uma conta no banco, ter uma carteira de identidade, trabalhar no negro, não poder ir a uma faculdade, ir a um hospital, nada, nada, nada... Eu vou entrar no mundinho da Maria Amelie daqui a pouco quando tiver um tempinho p/ comecar a ler o livro que comprei no sábado. Ainda não li o livro, mas como o caso não sai dos noticiarios já sei de antemão que a história aparentemente não acaba bem, pq ela foi expulsa do país no mês passado após viver 9 anos ilegalmente no país... Eu digo que a história APARENTEMENTE não terminou bem pq p/ mim ela deu um golpe de mestre... Pense que ilegalmente vivendo aqui ela nunca teria um emprego decente, uma vida tranquila e coisas do gênero... Estima-se que com a venda do livro ela ganhará uns 5 milhões de coroas norueguesas... ou seja, ela poderá viver onde quiser e bem entender nos próximos dois anos, e depois voltar como se nada tivesse acontecido e casar com o namoradinho lindo dela e viver legamente no país, quer coisa melhor??? E ela ainda levantou a polêmica sobre a vida dos estrangeiros na Noruega e conseguiu comover praticamente a populacão inteira (e comover um norueguês não é uma das coisas mais fáceis, nem as grávidas aqui tem colher de chá) ... O Facebook dela está bombando...rsrsrsrs. Eu particularmente adoro gente assim, esperta sem ser mau caráter... por isso comprei o livro dela, p/ "dar uma forcinha". Go Maria Amelie, Go!!!

Palavra-chave

Follow by Email

Volta ao mundo em 80 anos :-)