20 de outubro de 2011

Lei de Jante



Acabei de ler o Zahir de Paulo Coelho, e neste livro ele menciona a Janteloven ou no português "A lei de Jante", criada pelo escritor Norueguês/ Dinamarquês Aksel Sandemose. Pois é minha gente, inveja não é uma coisa só de brasileiro. Clicando aqui você poderá ver como a lei de Jante foi "apresentada" ao Paulo Coelho, por um jornalista norueguês (muito interessante, vale a pena).

E aqui vai a lei de Jante na integra:

Existem dez regras diferentes na Lei de Jante, mas todas elas são variações dum único tópico. As dez regras são geralmente tidas como uma unidade homogênea: Não pense que você é especial ou que você é melhor do que nós.

As dez regras são:

1.Não pensarás que és especial.

2.Não pensarás que estás no mesmo patamar que nós.

3.Não pensarás que és mais inteligente que nós.

4.Não acreditarás que és melhor que nós.

5.Não pensarás que sabes mais que nós.

6.Não pensarás que és mais importante que nós.

7.Não pensarás que és bom em alguma coisa.

8.Não rirás de nós.

9.Não pensarás que nós nos importamos contigo'.

10.Não pensarás que nos podes ensinar alguma coisa'.

No livro, os janteanos que transgridem essa "lei" - que não é escrita, mas sim transmitida oralmente - passam a ser tratados de forma suspeita e mesmo de forma hostil, uma vez que a quebra do código vai diretamente contra o desejo comunitário da cidade, que visa a preservação da estabilidade social e a uniformidade.


Eu sou uma transgressora da Lei de Jante :-(

9 comentários:

Luciana disse...

E eu continuo sem entender essa lei, ja vi varias interpretacoes diferentes, desde a que acham que a lei é pra colocar o outro no lugar da insignificância dele, até a que a lei é para mostrarmos que somos iguais, ninguém é melhor que ninguém, então não tentemos ser. Bom, minha ex professora foi às lágrimas lendo, mas não conseguiu dizer o porque. Saí perguntando e me explicaram que era pela uniformidade que a lei diz que devemos ter, isso de ninguém é melhor que ninguém, e ao mesmo tempo que diz pra um que ele não é melhor que o outro, diz pro outro que ele näo é inferior.
Outras pessoas me disseram que era uma lei pra botar os imigrantes no lugar deles, abaixo dos nativos.
Bom, continuo confusa, kkkk


Beijo

Carolina Krogedal disse...

Pelo que lí, o autor se baseou na pequena cidade onde morou na Dinamarca. Mas acho que se aplica bem aos estrangeiros... Minhas amigas e eu temos problemas sérios... Vc não vê grupos de norueguesas reunidas conversando as mil gargalhadas... Mas quando fazemos isso todos os noruegueses fecham a cara. Já aconteceu até de estar tocando uma música latina ao entrar na boate, a DJ olhar para o nosso grupo, fazer cara feia e mudar a música propositalmente, pq juro por Deus, quando dancamos no centro, parece que todas as atencões se voltam para nós (eu tenho duas amigas que dancam MUITO)principalmente músicas latinas e isso CERTAMENTE deve incomodar.

Wendel disse...

A ignorância não escolhe lugar...
A cultura dos estrangeiros não é bem aceita na Europa mesmo não...
Um conselho, exagere na música latina e seja feliz!

Melissa disse...

Nossa, vi um programa (na verdade é um documentário) hoje na TV3 chamado "Det blir bedre" e achei fantástico. Pensei até em escrever no meu blog sobre isso, fazer uma reflexão, mas a preguica bateu, hehe. O programa é sobre superacão, mostra pessoas que passaram por um período difícil na vida, mas que conseguiram se reerguer e tocar a vida pra frente. Hoje especificamente entrevistaram 2 pessoas. Uma moca do Vietnã e uma do Congo:a vietnamita criada na Noruega e a congolesa na Suécia.Ambas filhas de refugiados. As duas comeram o pão que o diabo amassou nessa Escandinávia, a vietnamita viu o pai ser espancado por um grupo de jovens noruegueses, era constantemente perturbada na escola, teve a casa apedrejada...horrível.E a congolesa, que chegou na Suécia aos 9 anos, vivenciou o racismo no pior grau que pode existir: criancas na escola diziam para ela que ela era escura, que ela não devia estar ali, que não era o lugar dela, para ela se olhar no espelho e ver que ela nunca seria uma deles...chocante de ouvir. Segue o site com a entrevista da vietnamita. Não encontrei a história da congolesa.
http://www.side2.no/underholdning/article3253645.ece
A Lei de Jante promove a homogeneidade e uniformidade(física e psicológica) entre os povos escandinavos (na minha opinião é uma lei exremamente preconceituosa). Ninguém pode se destacar e achar que é (ou realmente ser!) melhor que os outros. Saiu um artigo em um jornal há uns tempos atrás sobre 3 mulheres estrangeiras que trabalham na Noruega. O título do artigo é: "De er for hardtarbeidende for norsk arbeidsliv" (Elas trabalham muito duro para o ambiente de trabalho norueguês).Segue o link:
http://www.ukeavisenledelse.no/nyheter/arbeidsliv/de-er-for-hardtarbeidende-for-norsk-arbeidsliv/
As 3 estavam se destacando em seus trabalhos e, pasmem, pediram a elas que trabalhassem menos e mais devagar, pois elas estavam deixando os outros funcionários numa situacão desagradável. No Brasil, na América Latina em geral, nos EUA, desde pequeno a gente aprende que tem que ser o melhor naquilo que faz, pois o mundo lá fora é ultra competitivo e te engole num segundo. Aí a gente chega aqui e o mundo vira de cabeca pra baixo, pois a gente não pode se destacar no trabalho, no lazer, etc. Não sei, é um paradoxo muito grande na minha opinião, pois o que move o ser humano, o que faz com que as pessoas evoluam é justamente o sentimento de contribuir com algo nessa vida, de fazer algo notório, de dar o melhor de nós. Como explicar o fato da Escandinávia ser tão evoluída e ter esse tipo de mentalidade? Você consegue entender isso? É impossível nos dias de hoje, com a globalizacao na nossa cara, manter a homegeneidade de um povo, é impossível permanecer igual, seja em termos de pensamento ou de características físicas.
Affffff, filosofei aqui né, hahahaha. Nem sei se o que eu disse fez algum sentido, rsrs.

Carolina Krogedal disse...

Pois Melissa, eu vejo que no Brasil impera a mentalidade, "o trabalho duro será compensado". Já na Noruega, quem se dedica não tem valor... Tem uma menina no meu trabalho que mesmo não sendo vaktleder resolve todos os pepinos, nunca fica doente, trabalha MUITO, mas ao invés de promoverem ela, promoveram uma cobra mais falsa que nota de 3, que vive "doente". Ninguém dá valor aos que trabalham duro! E os que são moles,sempre inventando doenca, nunca são punidos. Essa foto que postei agora faz parte das do meu perfil do face...

Eu acho que as pessoas são diferentes... Umas mais capacitadas para algumas coisas que as outras, é a lei natural da vida. Pense na história da evolucão de Darwin, só os mais capacitados seguiram adiante. Se retardamos o aprendizado de uma crianca superdotada em prol da não diferenciacão... você estará condenando um talento. (Eu ouvi uma vez que a Noruega não tem escolas especiais para os superdotados por conta dessa "igualidade", não sei se é verdade).
E cara... olha p/ Brasil... Somos todos diferentes fisicamente... Somos um povo único, o que deve matar de raiva esses que parecem que foram feitos todos na mesma forma ;-)
Sei lá, eu amo nossa miscigenacão!!!

Daniela Pedrinha disse...

Aháaa... agora entendi essas caras de cu que vejo por aqui qdo se deparam com um estrangeiro. Seja ele brasileiro ou de outros cantos. Povinho mais besta esse!!!

Eu tb transgrido a lei de Jante!!

Carolina Krogedal disse...

Menina, não é que dois amigos e uma amiga já não levaram tapa na cara de norueguesas bêbadas gratuitamente? Cara, ainda bem que não foi comigo, caso contrário eu teria perdido até meu emprego... Eu não posso me meter em confusão, mas se uma mulher vem bater na minha cara sem eu ter feito ABSOLUTAMENTE nada, eu iria encher ela de porrada! Juro p/ vc!

Marcela Orsini disse...

hiuhauahiauhaiuha agora morri de rir... Imaginando uma norueguesa te batendo do nada e você enfiando-lhe a porrada.
Muito interessante o texto e o assunto que nao eh um assunto batido... Eu tenho um palpite que essa ideia esteja relacionada ao conceito de socialismo, que eh usado aqui na Noruega. Vamos estudar socialismo meninas! Vamos desvendar essa Noruega custe o que custar... rsrs
Tambem concordo que aqui a mentalidade nao eh de ganhar nada por merecimento. Ja ouvi historias contadas inclusive por norueguesas dizendo isso. Se alguem entender como eles funcionam, por favor me expliquem. Bjos

glenda disse...

gente!!! eu juro que achava essa lei ate bem bacana, interpretava como a negacao do "voce sabe com quem està falando?" do brasileiro. que aqui nåo adiantava nada ser filho de gente importante pois todos sao iguais.
estou completando um ano e alguns meses de noruega e so agora percebo o lado ruim da nao competicao, e da nao premiacao. Nao adianta tentar fazer nada melhor, nada diferente, nada instigante. Na verdade... algo instiga esse povo?

Palavra-chave

Follow by Email

Volta ao mundo em 80 anos :-)